Contributo para um Bestseller de Verão – Parte II

Aborrecidos com a incompetência das autoridades, os ladrões decidem devolver o material e desligar-se de vez do assunto. Ligam então para a tropa, dizem onde está o material e pedem que o vão recolher se fazem favor.

Vai a tropa a toda a velocidade para o local, põe-se a contabilizar o arsenal, granada para cá, morteiro para lá, e eis senão quando de repente têm uma surpresa.

Alto lá e para o baile. Isto não dá certo. Vamos a nova contagem.

Contam e voltam a contar. O resultado é sempre o mesmo. Há material a mais que aquele que foi furtado. E agora? Como descalçar esta bota?

No dia seguinte vem escarrapachado na primeira página dos jornais:

«Assaltantes de Tancos devolvem material a mais».

Ora bem! Por esta altura, já se percebeu que embora o enredo esteja uma obra-prima, com personagens deste calibre não vamos lá. Está pois o barco encalhado.

É aqui que o autor vai ter que suar as estopinhas para dar a volta à coisa. Também, queria a papinha toda feita?

Invente-se então uma personagem que consiga levar o barco a bom porto. Vamos fugir ao estereótipo do detective. Quem vai investigar o assunto é uma repórter de um canal televisivo. Uma loira vistosa, pode chamar-se Rita e trabalhar por exemplo para o canal 21. É ela quem vai deslindar toda esta caldeirada.

Por esta altura, os responsáveis do exército que haviam sido afastados foram novamente admitidos ao serviço sendo que alguns até foram promovidos. Foi feita também uma nova contagem e agora parece que afinal foram encontradas armas a menos que aquelas que foram furtadas.

Está pois a coisa neste pé quando a repórter entra em cena.

Investiga, investiga, entrevista para aqui conversa para acolá, e em breve começa a encontrar pistas. Alguém lhe dá uma dica, surge uma luz no fundo do túnel e a repórter encontra os malfeitores conseguindo até uma entrevista exclusiva com os mesmos.

Mas, o que aconteceu então aos ladrões e onde se encontram?

Desgostosos com a vida, e agastados por nem sequer terem sido perseguidos, a quadrilha de malfeitores entregou-se à religião e entraram todos para um mosteiro situado na Serra dos Candeeiros onde jejuam e pedem diariamente perdão a Deus por se terem metido com a tropa Portuguesa.

«Perdoai-nos Senhor! Nós não fazíamos ideia no que nos estava-mos a meter».

Pimba! Bestseller. Sucesso garantido.

Ler parte I

António Góis

Julho de 2018

One thought on “Contributo para um Bestseller de Verão – Parte II

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *